Escrevo o que me vem a mente.

A minha mente brinca as vezes comigo.
Ela viaja em pensamentos, inventa algum tormento, paixão, romance.
Alguns textos que escrevo me transformam em uma pobre coitada, outros, em uma apaixonada.
Sim! Eu sou apaixonada pela vida, pela mágica de amar e ser amada.
Gosto de sentimentos, do que ele me proporciona, de como ele vem ou por quem.
Escrever é como deixar o pássaro voar e viajar em uma fantasiosa história inventada.
Mas nem tudo que escrevo eu invento!
Amor é uma explosão que vem de dentro para fora e me tira totalmente do chão.
Amo a vento, a lua, o sol, o mar, amo pessoas, meu cachorro, meu lar.
O silêncio e o agito, o segredo e o grito.
Amo os amigos que a vida me deu, as oportunidades e as bravas conquistas.
Amo escrever, finalizar um texto, reler, amo desenhar, fotografar, sentir os pés tocarem a areia do mar.
E como se não bastasse, ainda sinto que um dia vou morrer de amor, não uma morte normal.
Mas uma falta de ar, um brilho nos olhos, mãos entrelaçadas e o fim.
Ou o recomeço!
Quem disse que não existe vida após aqui?

Bom dia mundo!
Beijos enormes,
Bárbara Castro.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça valer a pena!