A menina que gostava de ler.

Corria como uma brisa suave, aquela menina faceira
Cheia de tantos encantos.
Sorria sempre como um anjo,
Com os olhos enormes que tinha.

Menina levada, arteira.
Gostava de ler e estudar.
Sonhava em ser jornalista
E um livro poder publicar.

Sua atividade preferida
Sempre foi ler um bom livro
Trocava brincadeiras e festas
Por novos capítulos.

Diante de uma tragédia,
O livro foi seu melhor amigo.
O pai que o tinha como herói
Estava se despedindo.

As noites já não tinha pesadelos,
Por que não tinha quem chamar
Foi forte diante da mãe
E sempre procurou a amar.

Nunca foi perfeitinha
Buscava aprender a lição
Que a vida passava todo dia
Como numa televisão.

Atenta, ela cresceu.
Aprendeu a observar.
Descobriu que quem impõe limite
Nunca sai do lugar.

Hoje, uma mulher - menina
Ainda com algumas características.
As mesmas de quando criança
E modificações infinitas.

A vida soube ensinar!
Difícil dizer se ela soube aprender.
Um dia levanto a questão
E conto em um dos capítulos
Do livro que ela lançar.

Bárbara Castro.
_________________________________________________________________________

De um tempo para cá, não sei se me exalto numa corrida pelo sucesso ou se pelo fracasso, mas vale mesmo tentar. Por que a vida nunca foi para quem tem medo de arriscar.

Beijos enormes,
Fiquem com Deus.
Bárbara Castro.





4 comentários:

  1. Respostas
    1. Olá, que ótimo ver você por aqui.
      Obrigada pela leitura e pelo comentário, em breve um novo post.
      Beijãozão!

      Excluir
  2. Oi, Bárbara!
    Tenho sentido falta dos blogs, e tô voltando aos poucos. E com certeza vou comentar mais por aqui.
    Quanto aos seus textos, percebo uma leve mudança para o lado da poesia, e isso é bom, pois têm uma maior aceitação por parte de muitos blogueiros.
    Ficou muito bom! Abraço!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Volta sim, expor o que sentimos ou sabemos é muito bom e enriquecedor, para nós e para quem nos ler. Vou adorar sua visita aqui, também preciso dar uma passada por aí, tô te devendo.
      Pois é, não sei o que houve, mas andei mudando mesmo. Sempre gostei de poesia, mas não conseguia encaixar as palavras, aos poucos estou conseguindo isso.. Acho que fica até mais gostosa a leitura quando se faz em versos, porque podemos expor um ponto de vista mais crítico também de maneira suave. Vou deixando a música levar, só não sei onde vou chegar.
      Beijos, obrigada pela visita.
      Baby.

      Excluir

Faça valer a pena!