Morrer é..

O que é a morte?
Um viagem? Um fim? Ou o início?

Uma vez li sobre a morte de uma maneira bem peculiar, dizia que ela é um regresso do que já deixamos há muito tempo, mas como acreditar numa resposta concreta se ainda estamos vivos?

Por acreditar na doutrina espírita eu lido com a morte hoje diferente de quando 'perdi' meu pai. Naquela época eu só pensava em como sobreviveria sem ele, pobre egoísmo.  Sim, pra mim a morte não passa de egoísmo da nossa parte. Quantas vezes vimos alguém deitados sobre uma cama, com o pesar da dor, e desejamos mantê-los ali,  mesmo naquelas condições. Somente para nos satisfazer.
(Ok, você não deseja que ele permaneça sobre uma cama definhando, por exemplo. Mas infelizmente aprisionamo-nos uns aos outros pela presença física de tê-los ao nosso lado.)
Mas não culpo quem o faz, na verdade eu faço, você fará. Pois não sabemos lidar com esse assunto tão presente em nossas vidas.

Mas o que é vida, senão a ausência da morte?
Ah, precisamos aprender a viver para entendemos que a morte é o início, um ponto crucial existente pra todos nós.
Diz nas escrituras, "nenhuma folha cai sem a permissão de Deus" então ele sabe o que faz. Eu acredito nisso, e você?

Hoje, recebi a notícia da morte do irmão mais novo da minha madrinha, eu não tinha convívio com ele, mas me peguei chorando. Sim, chorei, chorei ao pedir que Deus dê conforto a família e abençoe esse irmãozinho.
Morrer é uma viagem, como dizia a novela?
Quem morre? Aquele que acabara de nascer ou quem deixa somente a saudade?

Eis uma pergunta a se estudar.

Beijos enormes,
Bárbara Castro.

Mente.

Não mente.
Mente.
Não, mente!
Ah, mente.
Submissa, isolada não é nada.
Não mente.
Invente, crie, planeje.
Ah, mente.
Cansada, exausta, desliga.
Mente!!
Religa, cultiva, explora.
Não mente!
Atrofia, para, retrocede.
Mente?
Espírito, pensamento, entendimento.

Power Off.

Escrever algo não significa compreensão instantânea, aliás, quando escrevemos desejamos que alguém, lá no fundo, entenda o que sentíamos naquele instante, ou talvez entenda como se fosse o próprio autor em um comparação do que vive. 
Esse texto o escrevi após um longo dia de trabalho e aula na faculdade, depois de um exaustivo trabalho mental, não me senti ao término do dia cansada fisicamente, pois seria capaz de dar uma corrida pelo quarteirão, mas o cérebro precisava respirar, precisava descansar e se restabelecer, então, mesmo acreditando que não era capaz de escrever ou pensar eu decidi escrever, ir além do que estipulei meu limite, e daí nasceu um texto, uma maneira de expressar o que sentia, loucamente. 
Não sou alguém excepcional, nem tão pouco profissional, não tenho currículos extensos nessa área, na verdade, escrevo como hobby, como prazer ou válvula de escape.  E resolvi publicar para guardar esse instante, essa sensação, este dia.  

Enfim, espero que alguém goste, não tanto quanto eu, mas um pouquinho que seja para fazer-se leitor até a última palavra. 

Beijos enormes, fiquem com Deus.
Bárbara Castro. 

Vó é como mãe - Meu tesouro!

Com os quatro filhos que tinham
O casal seguia com normalidade
Ela era a dona de casa como os padrões mandavam
E ele, o senhor, homem que trabalhava.

Aos poucos as vidas se entrelaçaram,
Com uma terceira pessoa.
O pai de família ganhou,
O amor da professora.

Os filhos perderam o convívio do pai
A mãe teve que trabalhar para fora
Ninguém recebia pensão
Nos tempos de outrora.

O último filho nasceu
Criado sem a presença do pai
Cresceu com dignidade 
Aquele jovem rapaz.

Todos os filhos cresceram 
Dignos e educados
Tiveram suas próprias famílias
E a mãe ficou um pouco de lado.

Ainda aquela senhora,
Criou alguns dos netos
Recebendo todos eles
Sempre de braços abertos.

Vivia subindo em árvores
Parecia uma criança levada
Precisavam ter cuidado
Com a senhora danada.

Quando lembro me orgulho, 
Da minha grande paixão. 
Hoje minha vó mora longe, 
Mas perto do coração.

Apesar de estar um pouco sem rima, e precisando de alguns ajustes, eu decidi publicar.
Não é uma história 100% verídica, pois não conheço exatamente os detalhes que foi a vida dela antes do meu nascimento, mas gostaria de homenagear uma das pessoas mais importantes da minha vida, minha vó paterna, que mora em Marabá-Pará e é ainda hoje alguém de muita força e fé.
Quem me ensinou o valor da fé, do acreditar. Quem me ensinou a rezar e conversar com Deus, quem me ensinou a humildade, e muitos outros valores. Quem me protege até hoje, mesmo de longe, que se preocupa, que me ama, e quem eu amo com toda a força da minha mãe.

Deus, obrigada por esta pessoa tão especial, a quem dedico muita saúde, aprendizado, paz, amor, felicidade. Que sua força recaía sobre ela em forma de saúde, a envolva com sua proteção e bondade, pois tu meu Pai, és nossa base e fortaleza. Assim seja.

Desculpa as palavras e texto extenso, eu me emociono muito quando falo da minha vó, guerreira nº 01.

Beijos enormes,
Bárbara Castro.











Mundo virtual x Contato visual

Nuvem que passa, que o vento leva
Formas que inspiram a imaginação
Menino do tempo que era criança
Brincava de adivinhação.

Hoje, o mundo mais ‘moderninho’
Criança não sabe o que é brincar
Nem pula elástico ou joga queimada
Interagir agora é teclar.

Na minha infância gostava de pique esconde
Hoje virou brincadeira de adulto
Pirraça e má educação
Fica sem tablete ou sem celular.

Não sei como isso aconteceu
Evolução é essencial
Mas perder as rédeas desse jeito
Virou um caos total.

Adulto não dá bom exemplo
Esqueceu-se das razões mais importantes
Vive no mundo da lua
Pensando no status virtual.

Eu amo a tecnologia, não diria o contrário.
Tento não parecer viajante desse mundo extraordinário.
Mas a cada passo dos meus dias não vejo outra opção.
Crianças e adultos no mundo da tecnologia perdem totalmente a visão.

(Eu falo dos sentimentos mais comuns, das idéias de viajar vendo a lua, dos olhos nos olhos, da mão na mão, dos risos compartilhados numa reunião).

A qual mundo você pertence? Eu, pertenço ao meu.


Beijos enormes,
Bárbara Castro.

Te amo (Pai)

Ah, se pudesse chorar, sorrir e cantar.
Como seria eu.
Ah,  se pudesse voar, correr e nadar. 

Como seria eu?
Se pudesse ser criança novamente, colorir e recortar, se pudesse falar com as canetas, criar famílias das revistas D'Milus, pular elástico ou brincar de barbie?
Como não sei, mas com certeza voaria, correria, seria a criança mais feliz do mundo de novo.

Dentre muitos momentos, nenhum é maior que a pizza na Praça, que o canudo na latinha de fanta, que os jogos de vídeo game, que as sessões de filmes, que os almoços aos domingos.  

Pois só seria criança novamente se pudesse ter você.
Ah, se pudesse voltar lá atrás, não teria voltado a roer as unhas, não teria brigado pra você levantar do sofá, não teria deixado você sair sem um beijo, e jamais teria sentido mal estar sem dar importância. 

Mas voltaria para um único beijo que até hoje me sobra... 

Beijos enorme,
Bárbara Castro. 

(Pensando numa das pessoas mais importantes da minha vida) 

Ânimo para a vida - Sou um vencedor!

A vida me ensinou a não reclamar, apenas confiar naquilo que Deus dar.
Oportunidades vem e vão, já a garantia é celestial.
As decisões sempre serão nossas, entretanto Deus não nos deixa a sós.
Diante dos problemas sempre haveremos de desanimar, mas o forte tem concepção que tudo vai melhorar.
Pode demorar um minuto ou duas horas, mas para eternidade nunca será.
Um sábio me disse que um dia é assim, o inimigo lança a flecha até conseguir.
E mesmo flechados deitamos ao chão, não por desanimo, mas por precaução.
E quando pensarem que nos abateram, nos erguemos de novo com a força de um guerreiro.
Não decidimos pela vingança, por que não somos tão pequeninos.
Lutamos com nossa própria ignorância e voltamos a ser meninos.
A vida te ensina a seguir em frente.
Então siga, vai longe, determine, acredite, tenha fé.
Quem pensa que perdeu, perdedor é.
Mas que luta a própria batalha, vencedor sempre será.
Siga!
Lute!
Vença!
A maior batalha sempre será contra nós mesmos!



Ânimo meus amigos, as vezes a vida pode parecer difícil, as escolhas impossíveis e tudo devastador, mas quando menos esperarmos teremos vencido mais um obstáculo com muita fé.

Beijos enormes,
Bárbara Castro

Viver é .. ser capaz de sacudir o mundo.

O maior erro do ser humano é se importar com a opinião alheia, é valorizar o gesto intimidador de um dedo apontado quando a liberdade se esvai pelas janelas da casa contra toda e qualquer luz solar.

Vivendo a mesma liberdade e sensação
que meu cachorro tanto ama rsrsrs
É tão mais fácil viver, ser e fazer o que se deseja, é tão mais fácil e admirável ter um estilo próprio e sair sem se importar com que vão dizer sobre nós. Eu acredito que, se estamos fazendo algo que nos faça feliz sem prejudicar ninguém, então estamos apenas vivendo saudavelmente, sendo autênticos. Mas não, gostamos de impor empecilhos, de nos subjugar inferiores, de nos trancar dentro de uma casca. Por ora somos tímidos, por outras somos indecisos, inseguros, imaturos.

Ah, passei anos da minha vida assim, com um grito sufocado, com medo de chamar atenção, de ser apontada quer seja por algo positivo quer por algo negativo, a intenção era a mesma: Permanecer invisível para o mundo!

Mas, a bela adormecida acordou!!!

Vamos acordar todos, vamos nos impor para o mundo senão os tratores da vida continuarão passando por cima de nós, nos atropelando lentamente, e arrasando nosso brilho pessoal.

Acredito numa força fora do normal chamada ‘VIVER’, é nela que tenho me apoiado nos últimos dias, quando pego minha câmera fotográfica e me posiciono sem vergonha para registrar um momento, é nessa crença que me apoio quando resolvo colocar uma bandana de caveira na cabeça e óculos escuros, é nela que acredito quando decido que o mundo pode sim me ver como eu sou, como eu posso ser, e especialmente, como eu gostaria de ser.

O que sou se não puder ser eu mesma, fazer minhas vontades mais tolas e simples, o que sou ou quem sou se não posso cantar alto quando sinto vontade ou dançar no meio de uma estação de trem? Quem sou eu se não posso escrever o que penso sem me importar com as críticas destrutivas?

É, não seria ninguém e a vida? Ah, a vida não teria valido a pena.

Beijos enormes,

Bárbara Castro.

Feliz dia dos pais.

Dia dos pais é como o dia das mãe, TODOS OS DIAS!

Ser pai vai muito além de 'fabricar' um filho, é uma criação a base de ensinamentos, é como nos primórdios, a força da família está no pai, mas isso é fala de outra época, de quando a mulher não tinha direitos a nada.
Dessa época eu só levo o heroísmo do pai, levo a lembrança dos piores pesadelos e das noites que o chamava assustada, nem descobria a cabeça, ele aparecia e ligava a luz, e pegava água ou esperava eu ir ao banheiro. Meu pai sempre foi meu herói, minha base para muito coisa.
Uma das coisas que mais admiro nele (ou admirava) é que nos afazeres de casa ele também dividia as atividades comigo e minha mãe, ele era excepcional, carinhoso comigo e muito cuidadoso, era a alegria das festas de família, gostava de chegar na minha vó e a pegar no colo.

É, sinto muita falta, mas não fico triste, pelo contrário, feliz por ter tido o melhor pai do mundo!

Ser pai...
O que é ser pai?
Minha avó paterna foi pai, pois ela que cuidou do meu pai (filho caçula) sozinha, com a ajuda dos filhos mais velhos. Sim, eu hoje parabenizo-a também, pela dedicação e amor. Lembro-me como se fosse hoje meu dizendo, "MEU PAI USA SAIAS' e era mesmo. Meu avô pode ter sido um bom pai para os outros filhos, mas foi irresponsável e falho com o meu pai, quando decidiu se separar da minha avó e acabou se separando dos próprios filhos. Eu o conheci por um acaso, porque um dos meus tios ia todo sábado visitá-lo e passei a ir com ele, mas sempre me senti fora do meu mundo, não tinha aquele carinho que tinha com meu outro avô ou com minhas avós.
Então, lembre-se papais, ser pai não é apenas fazer um filho ou pagar pensão, é cuidar, prestar atenção no seu crescimento, é ajudar a planejarem seus futuros, aconselhar, e principalmente, se fazer presente em suas vidas!

Agradeço a Deus por minha mãe ter encontrado o Carlos, pois ele sempre foi respeitoso comigo, sempre me tratou como filha e me instruiu muitas vezes, sempre e todo momento ele se preosupa com meu futuro. É um pai que ganhei da vida, não para suprir o que 'perdi', mas para completar a fase de ensinamento.
Pois de uma coisa eu sei, tenho dois pais!

Desejo a todos os papais um feliz dia, sejam heróis dos seus filhos eternamente.

Beijos enormes,
Bárbara Castro.


PS. Desculpem por algum erro ou texto corrido, eu acabei de escrever tudo isso em pé, porque preciso lavar a louça do café rsrsrs... Fui!

Metamorfose Ambulante - Rauzito

Eu prefiro ser
Essa metamorfose ambulante
Eu prefiro ser
Essa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo

Eu quero dizer
Agora o oposto do que eu disse antes
Eu prefiro ser
Essa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
Sobre o que é o amor
Sobre o que eu nem sei quem sou
Se hoje eu sou estrela
Amanhã já se apagou
Se hoje eu te odeio
Amanhã lhe tenho amor
Lhe tenho amor
Lhe tenho horror
Lhe faço amor
Eu sou um ator
É chato chegar
A um objetivo num instante
Eu quero viver
Nessa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
Sobre o que é o amor
Sobre o que eu nem sei quem sou
Se hoje eu sou estrela
Amanhã já se apagou
Se hoje eu te odeio
Amanhã lhe tenho amor
Lhe tenho amor
Lhe tenho horror
Lhe faço amor
Eu sou um ator
Eu vou desdizer
Aquilo tudo que eu lhe disse antes
Eu prefiro ser
Essa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
Do que ter aquela velha velha velha velha velha
Opinião formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo

Gosto muito dessa letra, primeiro porque Rauzito me lembra a infância, e também da minha dinda Lu, e segundo que me identifico muito.


Beijos enorme,
Bárbara Castro.

Guerra Doce - Peça em cartaz no Teatro Fashion Mall - RJ

Em 06 de agosto de 2015 (ontem) eu tive o prazer de apreciar, durante sua estreia, a peça teatral Guerra Doce, escrita por Edu Porto, dirigida por William Vita e em atuação, ambos juntamente com Kel Braga.
Ainda me sinto extasiada com a emoção que os atores transpareceram, o texto envolvente e especialmente pelos detalhes ao longo das cenas.

Falar sobre teatro é algo fascinante, apesar de não sido boa atriz nos meus dois anos de teatro, por me faltar mais desenvoltura e liberdade, eu sempre amei essa arte. (Dentre tantas outras)

Mas voltando a Guerra Doce, que ficará em cartaz no Teatro Fashion Mall nos meses de agosto e setembro, todas as quintas-feiras às 21 horas, eu gostaria de dar meu ponto de vista amador.

O texto fala sobre a vida, e há de convir que, além riso garantido também arrancam lágrimas, muitas por sinal. Eu tentei controlar a emoção mas é bem difícil.
Assim como a vida, na peça também existe alguns momentos tocantes, eu diria até, asfixiantes. Me faltou ar quando o personagem André conversa com Deus, é uma cena muito envolvente, muito tocante, que grita dentro de nós, mesmo possuindo fé ainda somos balançados quando algo parece que nos desmonta de corpo e alma. E no caso de André, foi uma doença terrível, singularmente para aquela época. Sim, vocês entenderam, existe uma linha de tempo durante a peça, que se incia na final da copa do mundo de 1994, exatamente naquela tensão dos pênaltis e termina .. Bom, vão lá assistir essa deliciosa peça, reflexiva, tocante, e depois se perguntem se não foi mágico!?

Existe alguns detalhes que gostaria de sentar com o autor para tirar dúvidas. Não sei se sou muito detalhista ou se aquilo tinha sim um sentido para as emoções da cena, exemplo de um chinelo em cena que fica ali sobre o tapete, como se pudesse ser a única coisa que lembrasse do amor, porque a após uma separação tumultuada ocorre uma mudança na cena propositada pela personagem da Kel como tentativa de fazer o André esquecer do seu amor, mas o chinelo continua ali.

E o que foi aquela pipa sobre a platéia? (Não conto mais nada! Só assistindo..)

Enfim, gostaria de dividir com todos o que gostei de ver, quem tiver oportunidade de visitar a página deles no facebook, caso queiram conhecer melhor, mas o convite especial é para assistir a peça, que é linda e tenho certeza que vão gostar! Assim como eu.
Então, quem estiver programando algo para as próximas quintas, aqui pelo Rio, aproveitem a dica e lance-se nesse mundo chamado Guerra Doce!

Beijos enormes,
Bárbara Castro.


PS. Não estou ganhando nada em escrever sobre, aliás, esse blog é usado somente no intuito de dividir algumas ideias.

Raiva e Fome

Fome e raiva
Estômago vazio,
Igual casamento em meio a temporal
Chuva em dia de praia
Doce roubado da boca da criança

Pasmemmmmm!

Se tem uma coisa que não gosto é de sentir um desses dois desassossegos!
A raiva por si se dissipa tão rápido quanto minhas palavras carinhosas ao vento:
Caralhooooooooo!
Que filha da puta!

Chegaaaaaaaaaa!

Deixa a vida levar, segura a marimba e segue sem olhar pra trás.
Porque você, minha senhora, vai ficar aí parada enquanto eu vou andar.
Mas obrigada, tenho que te agradecer, pois aprendi que não vou ser filha da puta como você.

Mas a fome, a fome continua...

Beijos enormes,
Bárbara Castro.

Feira do Rio Antigo - Feira do Lavradio

Marque na agenda, primeiro sábado de setembro!
Muitos cariocas ainda não a conhecem, mas a Feira do Rio Antigo ou também chamada de Feira do Lavradio acontece todo primeiro sábado do mês na rua do Lavradio demarcada pela história do Brasil, onde localizou-se residências de muitos poetas, escritores e especialmente do Vice-Rei do Brasil em período colonial, o Marquês do Lavradio.

A feira ocorre a céu aberto e trás um enorme enriquecimento cultural, abrigando bares e restaurantes em alguns antigos casarios.

Obras belíssimas de artistas pouco reconhecidos. 
Eu estive lá este mês, pela milésima vez, e sempre saio com sensação de retorno. Por ser uma feira entre prédios em estilo eclético também encontramos por lá uma variedades de exposições, que são do antigo ao moderno, e claro, a visitação é cheia de opinião própria. O melhor é que cada feira acontece diferente, com apresentações de música em variados estilos, de danças entres outras artes.
Bem próximo dos arcos da Lapa e com visão panorâmica da Catedral você pode chegar lá de carro (não muito indicado) mas percebi que existe um estacionamento na Av. Passos próximo a Praça Tiradentes, ou poderá chegar por lá de metrô ou ônibus. Tomando sempre cuidado com ruas muito desertas nas proximidades após horário comercial no caso de ir sozinho.

Aliás, por falar em Praça Tiradentes, está acontecendo por lá uma amostra gourmet maravilhosa, com diversas barraquinhas com comidas e música, artes, alegria. Um pacote ótimo para quem não conseguiu sentar em algum barzinho ou restaurante da Lavradio.

Ambos eventos são direcionados para pessoas alegres, de bom humor ou nesse intuito.

Fiz pouquíssimas fotos, algumas eu ainda não descarreguei no computador, mas segue alguns detalhes que consegui capturar.
Quem tiver oportunidade de ir no próximo primeiro sábado de setembro (Dia 05/07) mesmo sendo véspera de feriado, não deixem de ir se estiver pelo Rio!

Beijos enormes,
desculpa minha falta de jeito com as fotografias, eu capricharei na próxima, prometo.

Bárbara Castro.


Artesanato com detalhes de todos os tipos e para todos os gostos.


Significado da vida

Quando nascemos, considero já sendo um zigoto, adquirimos uma bagagem pra levar na estrada chamada Vida.
Se existe vida, existe vida!
Essa bagagem é pessoal e intransferível, ninguém nem nada terá autorização para tirar de você. É uma bagagem de muitas malas boas, e por vezes, malas rasgada também.
E por ser difícil de cuida-la, é importante dar atenção necessária. Cuidar, costurar algum buraco, consertar alguma rodinha falha, é preciso que todas andem juntas. Não pode deixar nenhuma para trás.

E quando, pelo caminho, encontrar outras bagagens e outras vidas, precisamos nos atentar que ter respeito pela bagagem do outro não nos dar o direito de possuí-la. Até porque não damos conta da nossa,  dirá a do outro também.

Então, levando em consideração que respeito é fundamental, todo mundo deseja caminhar além. (Não é só você é suas malas. Mas o caminho é sempre largo pra quem sabe dividir, e estreito para quem deseja seguir sozinho)

Carreguem suas malas, vivam.
Boa noite. (Texto escrito pelo celular durante o trajeto do trabalho)

Beijos enormes,
Bárbara Castro.

Constante mudança

Muitas pessoas acham que me conhecem, ou achavam. Mas conhecer alguém nunca será possível, a menos que se conheça a si próprio 100%. E eu digo, é impossível.

Ninguém saberá qual atitude tomar para um novo obstáculo. Ou mesmo o que dirá para uma afronta imposta. Estamos em constante mudança, graças a Deus, pois aquele que para na vida há de atrofiar.

Vivi algumas histórias que achei eternas mas por um simples desentendimento elas evaporaram. E assim é a vida, cheia de surpresas, ultrapassa aquele que persiste no que acredita e não na verdade alheia.  Confie sempre em você, acredite e tenha fé em algo ou alguém, pois o caminho é longo mas as escolhas serão sempre suas.

Bom sábado a todos e ótimo fim de semana. Beijos enormes,
Bárbara Castro.