Música João de Barro - Maria Gadú e Leandro Leo na voz de Renato Vianna.


Eu confesso, ultimamente as canções não trazem a riqueza em suas letras como antigamente. Quando criança, lembro que minha mãe ganhou um CD Miucha e Tom Jobim, com as principais musicas da MPB, os clássicos que já tocaram nas novelas de Manoel Carlos. E recordo também o quanto me apaixonei por aquelas vozes e as poesias cantadas. Também lembro da primeira vez que ouvi o grupo Roupa Nova, achei que era um grupo novo, mas foi amor a primeira vista.
Elis Regina era minha cantora preferida, não tenho palavras para expressar a alegria em escutar ela cantando 'O bêbado e a equilibrista', é simplesmente apaixonante em cada vez que a ouço, especialmente por se tratar de uma canção escrita no período ditadura militar. 
Hoje em dia é tão difícil encontrar boas letras, não que eu recrimine as batidas, afinal sou uma eclética e musica é vida, independe de cantor. Para cada momento uma trilha.. 

Mas gostaria de dividir uma que não conhecia, da nova geração, mas que soa incrivelmente bem aos ouvidos, cantada na voz masculina de Renato Vianna. Gostei muito da letra, da voz e melodia. Não encontrei um vídeo no youtube com a mesma melodia que tenho na do meu celular, mas acredito que seja do CD da Maria Gadú de 2010. 


João de barro - Maria Gadú e Leandro Leo 

O meu desafio é andar sozinho 


esperar no tempo os nossos destinos 

não olhar pra trás, esperar a paz 

o que me traz 

a ausência do seu olhar 




traz nas asas um novo dia 

me ensina a caminhar 

mesmo eu sendo menino aprendiz 




oh meu Deus me traz de volta essa menina 

porque tudo que eu tenho é o seu amor 

joão de barro eu te entendo agora 

por favor me ensine como guardar meu amor



Tenham todos um belíssimo dia e fiquem com Deus.
Beijos enormes,

Bárbara Castro.

Redação do tempo de escola.

Muito engraçado quando encontro algum papel ou arquivo no computador com a data de 2001, 2002 e etc. Porque normalmente eu sempre guardo aquilo que me agrada, e esta redação foi um texto que na época me agradou muito. Lembro que meu professor de português, Raimundo França, deu uma aula com base numa música chamada 'Domingo no parque'. E partimos desta musica com novas idéias e foi quando surgiu esta redação, na qual eu havia tirado uma boa nota. Então a guardei e hoje a exponho aqui, envergonhada e ao mesmo tempo feliz por ter sido uma jovem que sempre amou escrever, um dia eu chego aos patamares que almejo.
Porque Anne um dia escreveu que o papel tem mais paciência do que as pessoas, e ela estava certíssima, além do mais o papel sempre foi meu companheiro. 

A violência urbana  

Eram noves horas, não acreditei na cena que acabara de presenciar, vi meu amigo João levar um tiro no peito ao tentar defender sua namorada de um assalto. 
Naquele momento abaixei-me e comecei a chorar no Beco da Rua São Paulo, naquela manhã de terça-feira. A polícia logo chegou ao local, mas não pegou o assaltante. 
Criei coragem e fui até meu amigo que estava caído no chão e balbuciava suas ultimas palavras, pedi que ele não fosse, mas foi em vão.  
Após duas horas, todos os seus familiares já estavam sabendo, e sua namorada continuava perplexa, não parava de chorar, na hora que o corpo de João chegou senti um arrepio tremendo, não acreditava que ele havia morrido, era um rapaz tão humilde, estudioso, e um ótimo amigo. 
Depois do enterro fui para casa tentar entender o porquê dele ter morrido, mas logo ergui a cabeça e comecei a escrever um livro sobre a historia daquele rapaz que só queria proteger a namorada da violência urbana que atinge todo o país e que ninguém faz algo para impedi-la.


Beijo enorme a todos e fiquem com Deus.

Mas nunca esqueçam, escrever é arte, faz parte, alivia e traz sabedoria.

Bárbara Castro.

Ponte Rodoferroviária de Marabá - Pará / Por do sol

Apesar de ter morado por 17 anos na minha cidade natal, eu particularmente não tinha costume de cruzar esta ponte, e neste dia (apesar da filmagem não ser das melhores, devido minha falta de jeito) foi um dia muito especial, praticamente uma paisagem linda diante dos meus olhos e gostaria de expor ela por aqui. Segue logo abaixo um resumo..



Ponte Rodo-Ferroviária Rio Tocantins-Marabá (Pelo site http://www.beter.com.br/rio-tocantins-cvrd/)


A mais avançada tecnologia foi aplicada na ponte rodo-ferroviária sobre o Rio Tocantins,
na Estrada de Ferro Carajás, da Companhia Vale do Rio Doce, em Marabá, PA.
A obra tem 2.310 m de extensão, 19,40 m de largura e vão central com gabarito de
navegação com 77 m, construída em estrutura mista de concreto armado convencional
e protendido e estrutura metálica.

Governo Brasileiro - Decepção política - Descaso

O país está passando por uma desorganização política e administrativa, para não citar a falta de governo.  
Aqui quem escreve é uma eleitora deprimida pelas medidas que vem sendo tomadas relacionadas ao meu país ou a falta de. Alguém que nunca votou com confiança, mas pelo critério de eliminação. Ao meu ver, precisamos de uma reforma política, bem criteriosa. 

Tenho 26 anos de idade, atualmente moro na cidade do Rio de Janeiro, entretanto sou nascida e criada até meus 17 anos numa cidade chamada Marabá-Pará, onde cresci em volta do esquecimento político e suas manobras para se dar bem.  

É lamentável ver o que estamos passando atualmente, onde os preços da gasolina chegam a R$3,49 aqui onde moro, e continuo sem entender porque na Argentina é mais barato, se nosso país que fornece para eles. 
O arrombo na Petrobras está sendo para nós como cumprir pena sem ter cometido o delito. Falo em relação a população, que sofre com os roubos políticos e ainda assim se ver pagando por algo que não cometeu, ou será que cometemos? 

Outras questão que gostaria de expor.. 
Que história é essa que existe a criação de uma lei onde proíbe criticar um governo, existe isso mesmo ou entendi errado? De fato, dentro de um escritório é anti-ético criticar e/ou falar mal de um colega de trabalho, especialmente quando for exposição em rede social, mas dentro de uma câmara municipal acho que já não existe ética para com nós, trabalhadores. Ou estou errada? 

Sou anti-hipocrisia e anti-corrupção. Isso que nos torna um país pequeno para o mundo, essa absurda manha política com salários altíssimos, leis que os favorece enquanto nós suamos para pagar os benditos impostos. É incrível como existe a necessidade de viagens ao exterior para comprar sem esses custos exorbitantes que temos por aqui. Incrível como somos desfavorecidos.  

Eu amo este país, amo a cultura de cada região, o sotaque, o jeito quieto do mineiro, extrovertido do carioca, a beleza exterior dos gauchos... entre tantos outros apaixonantes. Um país tão rico em cultura, beleza, e riqueza. Sim, somos providos de riquezas naturais. Mas que graça tem termos tudo isso se a divisão é desproporcional, ou quase não há divisão. 

Eu não entendi meu primo quando, durante o processo eleitoral ano passado, ele me disse que o governo que estava no poder há alguns anos vinha fazendo muitas benfeitorias a população, dando oportunidade de estudo com o FIES, Pronatec, bolsa família e etc. E eu segui calada com um único pensamento: Mas isso já não é de direito nosso, educação, segurança, saúde? 

O que o governo fez por nós além do que já está no nosso direito?  

Bom, é uma questão pessoal, não critico quem o apoia, eu apoio o bem estar da população. O político recebe muitíssimo bem para exercer uma função, assim como nós ao trabalhar. Mas acho que quem carrega esse país somos nós, quem levanta a muralha, quem se sacrifica, quem paga os impostos, quem sofre pagando planos de saúde para não se expor a filas gigantescas do SUS, quem trabalha duro para pagar a mensalidade do colégio do filho buscando uma educação melhor, quem anda de ônibus, trem ou metrô todo dia no aperto, sem poder mover um braço e ainda se manter de bom humor no trabalho ou na escola, quem faz 8 horas mínimas de trabalho e mais 4 horas de aula todo dia para ter uma vida melhor, sonhando em comprar uma casa, é,  somos nós! Eles, os políticos, que ganham para manter tudo em ordem, as vezes nem trabalham de segunda a sexta.. 
E quem sofre com toda essa desestruturação, também somos nós! 

Boa tarde, desculpa o desabafo. Acho que estou cansada de ler a constituição ou meu livrinho do SUS, que seja, e perceber que tudo acontece pelo avesso.

Que tenhamos a sorte a nosso favor, porque eu sou brasileira e não pretendo desistir do meu país!

Beijos enormes,
Bárbara Castro.