Amar é admirar com o coração.

Há tantas coisas boas que nos acontecem ao longo da vida e que, infelizmente, não paramos para agradecer. E o melhor de tudo é que essas ‘coisas’ são, na maioria das vezes, pessoas que entram em nossas vidas com simples propósitos.É, e assim eu acabo me apaixonando mais e mais. (risos)

Não tem como não se apaixonar por esta pessoa a quem dedico todas as palavras a seguir. 
Um homem jovem, com uma alma incrivelmente madura. Possui a sinceridade no sorriso, carinho no olhar, amabilidade no abraço. Isso é perceptível para qualquer pessoa que já o tenha visto. (Exceto alguns poucos que não somam ou subtrai na vida de ninguém).
Lembro da primeira vez que o vi, estava com uma roupa cigana e um lenço amarelo. Raio amarelo de 2010. Eu havia chegado atrasada, percorri com minha tia Jana diversos lugares, perdidas em Nova Iguaçu. Mas chegamos a tempo de abrir meus olhos para aquele mundo do qual eu nunca imaginei querer tanto fazer parte. Me realizo a cada momento em que passo ali, naquele salão e com aquelas pessoas. São as melhores energias.

Minha primeira impressão dele, e não posso negar, foi absurdamente ‘louca’ para o espaço religioso no qual estava. Tenho que confessar (morrendo de vergonha rs) que eu o achei muito bonito. E aquele sorriso? Gente, quem resiste aquele sorriso? Bom, até hoje, com todo o respeito que tenho por ele, eu ainda o acho lindo, aliás, mais lindo ainda com sua beleza interior e uma espiritualidade invejável. Tenho muito orgulho de falar dele, porque me faz sentir uma paz imensa e também porque sou abertamente uma das muitas pessoas que abrem a boca, com sinceridade, e dizem ‘eu o amo’. Como sempre digo, amar é bem melhor do que ser amado e é mais prazeroso. Não que eu negue a correspondência... (risos!). O amo com total admiração! E ele sabe disso.

Não pretendo me estender muito porque seria muito fácil falar da minha admiração por este homem, e ficaria aqui uma eternidade e as palavras faltariam para descrevê-lo. Hoje, ainda com minha timidez feroz, eu fico vermelha ao chamá-lo de ‘pai’, mas o chamo com muito orgulho.

Pai, qualquer dia desses, o momento certo vai acontecer, a minha insegurança vai desaparecer e aí vou chamar você de pai sem coloração facial. (risos!)

Obrigada por ter entrado na minha vida, pelo momento difícil em que obtive aquele abraço reconfortante, a palavra conselheira,... Obrigada de coração, você se tornou muito importante para minha vida. Tenho certeza que para a vida de todos os seus filhos também.
“Há pessoas que nos falam e nem as escutamos, há pessoas que nos ferem e nem cicatrizes deixam, mas há pessoas que simplesmente aparecem em nossas vidas e nos marcam para sempre”

Beijos enormes,
Bárbara de Castro Pontes.

Falando dos meus avôs, João Batista e José Pontes.

Quando nascemos e ao longo da nossa criação recebemos lições a cumprir, somos educados de acordo com a educação que os nossos pais e responsáveis receberam. Minha mãe conta, entre lágrimas, que o meu avô era um pai muito severo. Que batia em seus filhos por motivos insignificantes, como vê-los tropeçar.Eu fui a primeira neta do meu avô com a minha avó e foi o meu avô quem me deu a primeira calcinha. Quando lembro dele sempre me recordo que ele adorava sentar com os pés apoiados em banquinho, pois sentia dores nas pernas, também lembro muito das suas costas largas e do quando gostava de abraçá-lo. Ele me mimava muito, e adorava tirar coco para eu beber da água e comer aquelas raspinhas, também gostava muito de levar até a minha casa um saquinho de acerolas, e ele ia caminhando por alguns poucos quilômetros todas as semanas. Ele foi maravilhoso, não tenho como agradecer por ter tido a oportunidade de conviver com ele, pode não ter sido um bom pai (conseqüentemente ele deve ter sido educado para ser o pai que ele foi), mas ele foi um avô excepcional, que me perdoe o outro avô, mas meu vovozinho João Batista pai da minha mãe foi meu único avô da maneira mais bonita e simples que ninguém mais conseguiria ser.

Quando falo sobre isso as pessoas imaturas devem imaginar que não dou valor ao outro avô, mas meu pai já o disse: “Meu pai usa saias e tem o mesmo nome da minha mãe”. E foi exatamente assim que aprendi a vê-lo. Na verdade eu não o via. O meu avô paterno foi ausente em toda a educação do meu pai. Pela estória contada timidamente pela minha avó, meu avô já não estava mais ao lado dela quando meu pai nasceu, e também se ausentou de ajudar na educação de todos os outros quatro filhos. Não tenho mágoa dele, aliás já senti muito orgulho daquele velhinhos, orgulho pelos feitos ‘materiais’, mas tristeza pelos feitos ‘emocionais’. Ele foi fraco quando deveria ter sido forte, e abandou os filhos. Sabe como eu o conheci? Por pura curiosidade! Resolvi ir até a casa dele com meu tio, que todos os sábados ia visitá-lo, o único filho que o visitava com freqüência. Meu pai só esteve com ele uma única vez, foi muito bonito apesar do preconceito que rondava naquela casa, dia dos pais, eu o convenci a todo custo a ir naquele almoço, e o Seu José Pontes teve seu último presente. Talvez não tenha sido digno a recebê-lo com tanta alegria, mas fomos de corpo e alma a um almoço na casa dele, a alegria em seus olhos de estar na presença de todos os filhos somente ausente tia Luzia, alegria em seus olhos o tornou digno.

Hoje eu já não tenho em vida nenhum dos dois avôs, partiram para uma nova jornada. Cada qual seguiu o caminho que escolheu, viveu o que acreditou ser certo e conquistou o que merecia. Partiram jovens, não viveram o suficiente para conhecer seus bisnetos, mas terão outras oportunidades.

Há pouco eu estava pensando em qual assunto falar aqui, imaginando algum texto em mente, algo que me levasse a uma variedade de palavras que unidas formariam um texto. Enfim, se falar dos meus avôs é a intenção não intencionada então que seja.  

Deixando claro que apesar de serem completamente diferentes, eu não tenho mágoa de nenhum, aliás de ninguém. 

A cegueira dos nossos atos nem sempre é fácil de curar. Pode levar anos a fio.

Um beijo especial a uma pessoainha muito importante na minha infância, e graças a meu avô paterno juntamente com minha maravilhosa avó Maria DoCarmo, sem esses dois seria impossível tê-la na minha vida. Quero deixar um beijão a minha prima Carla que provavelmente irá ficar de cabelo em pé quando ler esse texto e encontrar um ponto no qual eu cito o quanto acredito e tenho fé naquilo que me vale crer. Mesmo assim, mesmo com as nossas diferenças religiosas, temos o mesmo Deus e o mesmo sangue correndo na veia. Além do mais, eu hoje lembrei muito dela, porque é puro e simplesmente que jamais deixaria de amá-la, tanto quanto meu irmãozinho com quem fui praticamente criada, Robério. (Que também me lembrei muito hoje). Esses dois são os meus primos mais iluminados e maduros da minha família paterna. Isso eu posso falar, como meu ponto de vista! E é difícil eu me enganar. Porque o amadurecimento pode ser visto na quantidade de julgamento que uma pessoa faz. 

Beijo enorme a todos,
Fiquem todos com Deus, muita luz nas nossas vida. Tenhamos fé independente de religião, porque a religião só serve para nos distanciar do próximo, e Deus nos quer unidos na fé de acreditar nEle.

Bárbara Castro.

Aumento salarial é?

Hoje eu pensando naquele assunto chato... Aumento salarial!
Lembro que na primeira semana de janeiro, um telejornal estava entrevistando alguns brasileiros, os perguntando o que fariam com este aumento?! E as pessoas ali fazendo planos, se perguntando o que poderiam comprar a mais no 'mercado'.
Sinceramente, era melhor nem ter aumentado. Porque com esse aumento mínimo tudo aumenta, tudo mesmo. As comidas, as passagens, os impostos...
Minha mãe paga aquele boleto do INSS-Previdência Social, e hoje fomos pegas de surpresa, porque até mês passado ela pagou R$ 109,00, e com o 'aumento salarial' foi para R$ 124,40. QUANTO FOI EM REAIS O AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO MESMO? Acho que só aí já acabou todo!
Os ônibus, logo no dia 02/01 já estavam no valor de R$ 2.75, com aumento de 0,25 centavos. O que poderia parecer pouco, mas fazendo as contas, levando em consideração um trabalhor de segunda a sexta feira, ele gastará R$ 10,50 por mês a mais. E as Barcas S/A que sofreu um aumento de R$ 1,70. É isso mesmo, o que até 1º de março valerá 2,80 para se trasnportar de barca, após esta data será reajustado no valor de R$ 4,50. Mas eles são ótimos, e têm benefícios para os portadores do 'BILHETE ÚNICO', pois poderá pagar R$ 3,10, limitada até duas passagens por dia. De qualquer forma existe o bilhete único que pode ser feito em alguns pontos de fácil acesso. E possue a vantagem de se utilizar dois ônibus pagando apenas uma passagem num periódo de 2 horas. O que nem sempre acontece, já que o transito está cada vez mais caótico.
Outro dia perguntei a minha mãe se ela se considera classe média. Porque havia lido na Revista Época uma frase célebre da nossa presidente Dilma. Ela dizia que ninguém que possua casa própria faz parte da classe média. Moramos de aluguel, mas temos uma casinha em outro estado, que está recentemente alugada. De certa forma, somos da classe média! Mas quais os benefícios mesmo? Meu padrasto é uma pessoa maravilhosa, não é perfeita, mas tem bom carater. E também possue dois filhos de outro casamento, meninos adoráveis, os quais hoje os trato como meus irmãos. Meu padrasto tem bom salário, paga as pensões em dia, nunca falta com nada. Mas um dos meus irmão é diabético, e necessita de insulina, seringas, fitas, etc. Sempre o vejo em pesquisas pelo telefone, tentando encontrar farmácias com preços melhores. Nosso carro não é o melhor, mas anda. Moramos de aluguel, mas temos a felicidade de nada nos faltar. É, eu não posso reclamar por mim, mas existe por aí pessoas que nem água potável têm para beber agora. E que provavelmente jamais lerão este blog por que não possuem internet...
Então vamos seguindo, vamos continuar a pagar as contas telefonicas, as viagens, as férias deles. Vamos pagar em dia todos os impostos. Afinal, os políticos estão lá, trabalhando em nosso favor, né?
Eu quero aprender mais sobre a política brasileira, sobre essa democracia que possuímos.. Vou pesquisar mais sobre estes assuntos porque as vezes eu acho que ando criticando em vão. Não posso acreditar que enquanto estamos sofrendo para chegar ao final do mês com as contas em dia, alimento na mesa e a educação para os filhos e quem sabe os pais também, eles estão 'trabalhando' em salas climatizadas, fazem e aprovam seus próprios aumentos salariais, planejam seus feriados, viajam com toda a família, enfim... Ontem estava numa palestra espiríta, eu ouvi a seguinte idéia: Os políticos são nós, são nós quando recebemos o troco a mais e não o devolvemos, são nós quando passamos pelos mais necessitados e fechamos os olhos, são nós. Só há uma diferença: Eles lidam com coisa maior.
Beijoos enormes e fiquem com Deus,
Bárbara Castro.