Hoje eu estou um tanto chateada, chateada com pequenas coisas...E talves esse texto nesta minha única válvula de escape não ajude eu esconder essa chateação. Porque afinal de contas, o melhor mesmo é viver intensamente qualquer aborrecimento para que futuramente este não nos faça chorar nomvamente. Quase nunca isso acontece, temos mania de guardar sentimentos que nos fazem mal e quando acontece uma pequena e insignificante coisa todos os aborrecimentos e mágoas que haviam sido guardados voltam a nos entristecer.

Não sou de guardar mágoas de ninguém, mas também não sou de esquecer quaisquer coisas que acontece comigo.


Hoje eu descobri que a vida é bem justa, é como uma montanha-russa, a gente tem que ter coragem e força de vontade pra viver, por que caso contrário a felicidade ou o potinho de ouro desaparece sem querer nossa companhia cinzenta. Meu dia até que começou bem, mas há uma historinha sobre um garorinho mal criado que vivia respondendo os mais velhos, e eu me identifiquei com um 'personagem' da história e pude refletir mais sobre algumas coisinhas pelas quais lágrimas insistiram em cair durante o dia e agora pela noite.

Ela é mais ou menos assim: Havia um garotinho mal criado que respondia e xingava todo mundo, um dia seu pai lhe deu um saco de pregos e um martelo e disse: - Filho, toda vez que você disser alguma coisa errada pega um desses pregos e o pregue num pedaço de madeira que está lá no quintal.
Então o garotinho pregou quase todo o saquinho de pregos e chegou um dia que se voltou ao seu pai e disse: - Pai não tenho mais feito nenhuma mal criação.
Seu pai disse-lhe: No final de cada dia que você se comportar bem vá até o pedaço de madeira e retire um prego.
O garotinho chegou a retirar todos os pregos, seu pai o viu tirar o último dos pregos e naquele momento disse ao filho: - Olhe bem para esse pedaço de madeira, veja o quanto ele está perfurado, e imagine que, toda vez que você ofendia alguém com sua palavra e em seguida pedia desculpa a pessoa poderia até perdoar você mas a ferida nunca deixa de existir. É como esfaquiar alguém e em seguida se desculpar, a ferida não irá se apagar jamais.


Então, voltando ao meu dia, eu me identifiquei com o pedaço de madeira, não sei o que está havendo, não lembro de minhas vidas passadas, mas hoje tenho tantas feridas não cicatrizadas, talves o momento seja mesmo de sensibilidade. Não costumo falar de meus problemas por que sempre ouvi muito dizerem que não tenho problemos, mas afinal todos temos problemas, e todos os problemas são reparáveis, só que neste instante eu não sei como reparar o meu. Hoje, há somente 5 amores fortemente vivos no meu coração e sei que esses 5 têm mais problemas do que eu, mas isso não quer dizer que eles tenham motivos para uma tristeza, espero que seja passageira, e eu não.


Tô meio 'Puta da vida' querendo chutar o balde...risos, mas se fizer isso será que ainda irão me reconhecer??? rs Enfim, vou deixar pra escrever outro dia por que neste exato momento não sou nenhuma companhia, nem boa nem ruim.



Beijo grande, fica com Deus.
Bárbara Pontes.