Ana Carolina


Eu confesso que estava louca pra postar mais um destes textinhos, estava pensando em diversos assuntos, não havia nada que me inspirasse algumas palavras, nada que bombardeasse meus pensamentos, foi quando, dentro de um metrô, decidi escrever sobre a minha maior companhia, pois sua voz canta aos meus ouvidos toda manhã, além de me tirar aquele minúsculo estresse que um metrô lotado causa, ainda possui o dom de alegrar-me.

Eu não tenho idéia de como começarei a falar desta cantora espetacular, talvez faça alguns agradecimentos por todos os momentos que eu pude sorrir apenas por ouvi-la. Talvez as pessoas não entendenderão o porquê de eu está aqui falando de alguém com quem eu nunca conversei, a verdade é que não sabemos o que se passa na cabeça de outra pessoa, nem mesmo o que passa em nossa cabeça é perceptível ou entendível por nós. Entretanto eu vou tentar contar o que eu sinto quando a ouço, acredito até que seja algo parecido com o que sinto ao ver um livro (Pode acreditar, mas eu AMO livros, e além de todo esse amor há também um fascínio), quem sabe você não possui um desses fascínios?! Um bom momento para encontrá-lo.
Pra começar eu quero falar um pouco do início, onde e como tudo começou. Lembro-me quando ouvi sua música tocando numa novela global, foi naquele momento que comecei a gostar da sua voz, das suas composições, das suas músicas. Porém, eu só a ouvia quando passava na rádio ou na TV. Meu grande encanto por ela ocorreu mesmo em 2005 quando meu 'paidrasto' levou-me um DVD, Estampado- Um instante que não para, eu a ouvia todos os dias e sonhava em vê-la cantando, mas onde eu morava isso era quase impossível. Marabá/Pá é uma cidade maravilhosa, onde nasci, cresci e morei até meus 17 anos, Ana nunca havia ido lá, só me restava esperanças. Houve uma reviravolta em minha vida (reviravolta cheia de amadurecimentos), eu e minha mãe nos mudamos para a cidade do Rio de Janeiro (local onde reside a personagem principal deste texto), começamos a formar uma nova família com o Carlos, meu 'paidrasto' o maior responsável por eu estar aqui hoje.
O meu sonho começou a ficar ainda mais perto de se realizar, e foi em 12 de outubro 2008 que fui pela primeira vez ao show dela, desta compositora e dona de uma bela voz. Nossa! Eu fiquei maravilhada, como poderia expressar tamanha alegria? Talvez, REALIZADA seria a palavra ideal! A parti deste dia não cabia outra voz em meus ouvidos, tudo passou a ser melhor, e ela foi (ainda hoje é) muito importante em diversos momentos da minha vida, como quando a tristeza batia e ela me alegrava ou quando eu desabava a chorar por motivos até hoje desconhecido (dizem que é coisa de mulher, mas tenho minha dúvidas em relação a estes desânimos repentinos) ela nunca abandonou meu MP3 e meu celular (risos). Ana foi algo que encontrei para estar ao lado da felicidade, não quero falar que sem ela eu seria infeliz, claro que não é assim que funciona, eu diria que tenho o tudo que uma pessoa necessita para ser feliz, mas não há história feliz sem uma gostosa melodia.
Depois deste último trabalho dela eu passei a ser uma fã viciada (Multishow ao vivo Ana Carolina Dois Quartos), neste DVD percebe-se uma desenvoltura deslumbrante, ela canta, toca violão, guitarra, contra baixo, piano, e até dança, pode acreditar, ela dança mesmo apesar de parecer pouquinho tímida (risos). Além disto tudo ela possui uma personalidade invejável, soube assumir sua sexualidade, soube gritar seu protesto em forma de música, ela tem uma simpatia muito interessante também, vale a pena conhecê-la. Uma vez li algo sobre ela, uma curiosidade, dizia que suas canções são uma forma de se expressar. Alguém que canta com o coração merece ser ouvida não é mesmo?

Bom, este texto eu quero dedicar a melhor cantora, compositora, a dona de uma irresistível voz grave, a você que tem constantemente participado do meu dia a dia, a você que um dia irá lê-lo, pois eu descobri que não custa nada acreditar num sonho.

E para os que ainda não puderam ouvi-la eu deixo uma dica, uma preciosa dica, já ouvi muito a seguinte frase: Não se pode dizer que não gosta sem que tenha provado!!! Ouço estilos diferentes e às vezes até começo a gostar de uma música de rock, de axé, de pagode, nossa eu gosto um pouquinho de cada ritmo...(risos...), pra falar a verdade eu posso considerar-me uma verdadeira eclética, uma eclética que gosta de letras, não apenas de melodia.

Enfim, Ana Carolina é a cara do cara!...(risos) Valeu Ana!

*Para os que nunca viram, esta é uma Ana diferente, provando novos estilos e se divertindo numa deliciosa entrevista.



(Bárbara Pontes)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça valer a pena!